O jogo de números do Covid-19: A “segunda vaga” é baseada em estatísticas falsas

“Zonas vermelhas”, proibição de viajar, quarentenas, “listas vermelhas”. Uma “Segunda Vaga” foi anunciada.

A campanha do medo tornou-se extenuante. Milhões de pessoas alinham-se para serem testadas ao Covid-19.

Medidas estatais drásticas são contempladas, incluindo restrições a ajuntamentos sociais, casamentos, funerais, o encerramento de restaurantes e bares, a absoluta paralisação da sociedade civil.

Vindo em auxílio dos nossos cidadãos. Qual é a justificação?

Este artigo foca-se nos “Números do Jogo”. Como estatísticas e “estimativas” são usadas por políticos para justificar o encerramento da economia nacional e a diminuição de direitos civis fundamentais.

Desde o começo da crise Covid em Janeiro de 2020, decisões de longo alcance tomadas pela OMS e governos nacionais têm sido justificadas citando “estimativas” da doença COVID-19, bem como “estatísticas” apontando a uma propagação a nível mundial de um novo coronavírus mortal, originado em Wuhan, na China.

A análise científica confirma que estas estimativas de “casos confirmados” catalogados pela OMS e pelo CDC estão sujeitas a erro. Os testes não detectam ou identificam o vírus. Mais ainda, os números são muitas vezes manipulados para justificar decisões políticas.

Ambos os conceitos, bem como os resultados dos testes, não apontam para a existência de uma pandemia mundial de COVID-19. Nem justificam o distanciamento social, o uso de máscara e o encerramento da economia global.

A corrupção prevalece nos mais altos níveis dos governos, bem como nos escalões superiores do sistema das Nações Unidas. Todo o aparato estatal, bem como as organizações inter-governamentais, são controlados por poderosos interesses financeiros.

Milhões de pessoas estão agora a ser testadas, o que contribui para o aumento dos assim chamados casos positivos de Covid “confirmados” a nível mundial. Estas estatísticas são depois cuidadosamente catalogadas. Os governos precisam desses números para justificar as suas medidas totalitárias.

Faça fila aqui.

QUAL É A GRANDE MENTIRA? QUAL É A PROVA DERRADEIRA?

O Sars-Cov2 NÃO É UM “VÍRUS MORTAL”. A campanha de medo não tem base científica (ver a análise abaixo)

O teste RT-PCR padrão, usado para “detectar” o insidioso vírus, “não pode identificar o vírus”

O VÍRUS

No princípio de Janeiro de 2020, um assim chamado novo coronavírus, intitulado Sars-CoV-2, que causa “doença do coronavírus de 2019 ou COVID-19 “, foi identificado. Foi-lhe dado um nome similar a um coronavírus existente, nomeadamente SARS-CoV, isto é, o coronavírus-beta que causa o severo síndroma respiratório agudo (SARS).

De acordo com o renomado imunologista Dr. Beda Stadler da Universidade de Berna :

“este assim chamado novo vírus está fortemente relacionado ao SARS-1, bem como a outros coronavirus-beta que nos fazem sofrer todo ano sob a forma de constipações”.

Stadler também faz a pergunta: é este um novo vírus ou a mutação de um vírus existente, “similar aos coronavírus-beta das constipações?”

De acordo com um estudo recente de Tsan-Yuk Lam, Na Jia et al (Instituto Conjunto de Virologia das Universidades de Shantou e Hong Kong):

“…o vírus (SARS-2) (está) mais proximamente relacionado (89.1% de similaridade nucleotídica) a um grupo de coronavírus do tipo-SARS (género betacoronavírus, subgénero Sarbecovírus) (Nature , Abril de 2020).

Mais ainda, os estudos do Dr. Anthony Fauci et al. no New England Journal of Medicine, bem como o reconhecimento da OMS de que o Covid-19 tem características similares da gripe sazonal (vírus A e B). (Para maiores detalhes, ver Michel Chossudovsky , Setembro de 2020).

O que estas afirmações científicas transmitem é que o SARS-2 (que causa Covid-19) não é um vírus mortal.Na verdade, é realmente o oposto.

Mas nem os governos nem os media tranquilizaram a opinião pública.

A campanha do medo não apenas prevalece, como ainda ganha ímpeto.

Nesta conjuntura da crise do Covid-19, os governos estão a enfrentá-la com o lançamento de medidas extremas como resposta a uma assim chamada “Segunda Vaga”.

Por sua vez, vários media estão agora a disseminar histórias de que esta Segunda Onda é comparável à Gripe Espanhola de 1918:

“Nesta altura da pandemia de Coronavírus, com mais de 32 milhões de infectados e mais de 980.000 de mortos a nível mundial, descrever esta época como “sem precedentes” pode soar como “unhas num quadro de giz”. Esta pandemia, contudo, não é na verdade sem precedentes: a última vez que lidámos com uma pandemia tão misteriosa, sem contenção e deste alcance foi em 1918, quando a gripe devastou populações pelo globo afora”, CNN , 25 de Setembro de 2020

Retrocedendo a 11 de Março de 2020: o lançamento da pandemia pela OMS

Em 11 de Março, a OMS declarou oficialmente uma pandemia mundial numa altura em que havia 18.000 casos confirmados e 4291 mortes, num total mundial populacional fora da China na ordem dos 6,4 mil milhões de pessoas. O que estas “estatísticas” dizem? A maioria destes “casos positivos” confirmados foram estimados usando o teste RT-PCR, que não detecta ou identifica o vírus (ver a nossa análise abaixo)

Imediatamente a seguir ao anúncio de 11 de Março da OMS, a campanha do medo entrou em alta velocidade. Instruções de confinamento foram transmitidas a 193 estados-membro das Nações Unidas. O encerramento total das economias nacionais foi defendido como o meio de resolução da crise de saúde pública.

Políticos são os instrumentos de interesses financeiros poderosos. Foi esta decisão de longo alcance justificada como o meio de combater o vírus? Os “números” (de casos confirmados) justificam a pandemia global?

Sem precedentes na história, aplicados quase em simultâneo num largo número de países, sectores inteiros da economia mundial foram desestabilizados. Pequenas e médias empresas foram levadas à falência. Desemprego e pobreza aumentaram desenfreadamente. Em certos países, a fome irrompeu. Os impactos sociais destas medidas foram devastadores.

O impacto devastador na saúde (mortalidade, morbilidade) destas medidas, incluindo a desestabilização dos sistemas nacionais de cuidados de saúde (em numerosos países), ultrapassou de longe aqueles atribuídos ao Covid-19.

A pressa em ser testado

Num largo número de países, simultaneamente, as pessoas são encorajadas a serem testadas, o que por seu turno, contribui para o aumento exponencial do número dos assim chamados “casos positivos” de Covid-19. Instalações para isso são montadas por todo o país.

O pânico prevalece, as autoridades nacionais estabelecem instalações de teste, kits de auto-teste, etc. As pessoas formam filas para serem testadas. As estimativas são muitas vezes manipuladas.

Em Inglaterra, ” as pessoas fazem filas nos seus próprios carros à medida que os centros de teste atingem a sua capacidade “.

Com números crescentes, no início de Junho, as autoridades da saúde de vários países apontaram para uma iminente “Segunda Vaga”.

Qual é a intenção desta “Segunda Vaga”?

Adiar a “normalização”? Impedir a reabertura das economias nacionais? Criar mais desemprego?

Actualmente, as economias nacionais reabriram parcialmente. Esta Segunda Vaga constitui a “segunda fase” de um programa de falência, tendo como alvo a economia do sector de serviços, transportes aéreos, a indústria do turismo, comércio a retalho, etc.

O distanciamento social prevalece. Escolas, colégios e universidades estão fechadas, ajuntamentos sociais e reuniões de família estão proibidas.

A máscara é reimposta apesar dos seus efeitos negativos na saúde. O que nos é dito é que é tudo por uma boa causa. Combater a transmissão do vírus.

Estas decisões de longo alcance que diminuem direitos civis fundamentais, são baseadas nas “estimativas” de casos positivos de Covid-19, para não mencionar a manipulação do resultado dos testes.

[embedded content]

O teste de Transcrição Reversa da Reacção de Cadeia Polimerase (RT-PCR)

O teste padrão usado para detectar/identificar o SARS-2 pelo mundo afora é o de Transcrição Reversa da Reacção de Cadeia Polimerase (RT-PCR), que é usado para estimar e catalogar o número de casos positivos confirmados de Covid-19 (este não é o único teste usado. As observações abaixo dizem respeito somente ao padrão PCR).

De acordo com o prémio Nobel Dr. Kary Mullis, que inventou o teste PCR:

O PCR detecta um segmento muito pequeno do ácido nucleico que é parte do vírus em si mesmo. O fragmento específico detectado é determinado, um tanto, pela escolha arbitrária da molécula de ADN que serve como material de partida do processo da polimerase, que se torna o final do fragmento amplificado”.

O teste PCR nunca foi concebido para identificar o vírus

A detecção PCR dos vírus é útil desde que a sua precisão possa ser compreendida : oferece a capacidade de detectar o ARN em quantidades diminutas, mas se esse ARN representa um vírus infeccioso pode não ser claro” (ver também relatório da revista Lancet ).

O teste PCR padrão aplicado no Covid-19 não detecta ou identifica o vírus. O que detecta são fragmentos do vírus. De acordo com o renomado imunologista suíço, Dr. B. Stadler :

“Então se fizermos um teste PCR corona a uma pessoa imune, não é um vírus que é detectado, mas uma pequena parte quebrada do genoma viral. O teste dá positivo conquanto continuem a haver pequenas partes quebradas do vírus em remanescência”. Mesmo que as fontes infecciosas já estejam mortas há tempo, um teste ao corona pode continuar a dar positivo, porque o método PCR multiplica mesmo uma pequena fracção do material genético viral suficiente (para ser detectado).

De acordo com o Dr. Pascal Sacré , “estes testes detectam partículas virais, sequências genéticas, não o vírus por inteiro”.

O que isto significa é que o teste PCR não pode detectar ou identificar o SARS-Cov-2. O que detecta são fragmentos, o que sugere que um “PCR positivo” padrão não pode ser equiparado a um assim chamado Covid-19 positivo.

“Fragmentos de vírus positivos” não significa “SARS-2 positivo” (ou positivo a Covid-19).

Por outras palavras, as estimativas publicadas dos positivos Covid-19 (resultantes do teste PCR padrão) a apoiar a hipótese da Segunda Vaga são frequentemente enganadoras e não podem ser usadas para medir a propagação do SARS-2.

Há actualmente, na altura da escrita deste texto ( de acordo com as estatísticas da OMS ), quase 33 milhões dos assim chamados “casos confirmados” e 1 milhão de mortes. São estas alegadas estimativas de “positivos Covid-19”, na sua larga maioria, baseadas no teste RT-PCR, fiáveis?

Global Research publicou numerosos relatórios sobre estes assuntos.

Assim que o rótulo positivo à Covid-19 é aceite e estabelecido, é depois sujeito a numerosas formas de manipulação, para não mencionar a falsificação de certidões de óbito.

Estes números são depois usados para sustentar a campanha de medo e justificar as decisões políticas de governos corruptos nacionais.

O público é levado a acreditar que existe uma “Segunda Vaga” e o governo está lá para salvar vidas através do distanciamento social, da máscara, do encerramento da actividade económica, da paralisia do sistema nacional de saúde, do encerramento de escolas e universidades.

Há uma relação causal circular. Quanto mais pessoas forem testadas como resultado da campanha do medo, mais testes PCR positivos…

Michel Chossudovsky
24/Outubro/2020
Artigo original em inglês:

Ver também:

Source